Componentes atuam em conjunto em quadros e painéis de instalações e devem ser instalados por profissionais eletricistas

 

Segundo a Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), os curtos-circuitos foram responsáveis em 2018 por 536 incêndios, sendo que a maior parte deles ocorreu em casas, onde resultaram em 59 mortes.

Infelizmente, uma fatia considerável das tragédias poderia ter sido evitada se medidas preventivas fossem tomadas. A negligência e desconhecimento sobre os riscos e suas soluções são tão letais quanto às consequências já bem conhecidas.

O improviso é o grande e mais famoso vilão das instalações elétricas, mas diferente das gambiarras, alguns dos problemas podem não ser identificados facilmente à vista, o que requer o auxílio de dispositivos específicos de proteção.

Como um trio da proteção, o disjuntor, o IDR e o DPS são componentes que atuam em conjunto para alertar e evitar que curtos-circuitos, fugas de correntes e surtos danifiquem o patrimônio e atentem contra à vida das pessoas.

Líder no fornecimento de materiais elétricos, a STECK explica abaixo o que é e qual o papel de cada dispositivo, que são instalados por profissionais eletricistas alinhados com as normas vigentes, como a NR 10, em quadros e painéis de residências, estabelecimentos comerciais e indústrias.

 

DISJUNTOR

 

É o mais conhecido dos componentes pela população em geral por conta de seu ‘desarme’, ou seja, desligar o circuito em que instalado ao identificar sinais de sobrecarga ou curto-circuito em uma instalação.

O curto-circuito acontece quando condutores de polos opostos entram em contato, provocando uma corrente elétrica de alta intensidade que flui sem barreiras. Entre as principais causas de curtos estão falhas no isolamento e conexões malfeitas.

Já a sobrecarga ocorre quando a intensidade da corrente (medida em amperes, A) empregada num circuito ultrapassa o valor da corrente (nominal) em que ele foi projetado para receber. É o que acontece quando ligamos vários equipamentos ao mesmo tempo em um mesmo circuito, sobrecarregando a fiação que pode até derreter.

Infelizmente, muitas pessoas ainda consideram o ‘desarme’ do disjuntor como uma situação inconveniente ao invés de entende-lo como um alerta, especialmente se for uma ocorrência frequente. O erro mais comum é trocar o disjuntor por um de corrente nominal maior.

 

IDR

 

Interruptor Diferencial Residual parece mais um daqueles nomes complicados, difíceis de entender, mas saber o que é e o que ele faz pode evitar o perigoso choque elétrico em humanos.

Tecnicamente, o choque elétrico é entendido como um exemplo de fuga de corrente. Numa analogia com encanamentos hidráulicos, a fuga de corrente é como um ‘vazamento’ no circuito.

Quando este ‘vazamento’ supera os 30mA, o IDR desliga automaticamente o circuito. O valor base de 30 mA é proposital: trata-se da intensidade de corrente máxima que uma pessoa pode suportar.

Os choques elétricos podem causar desde contrações até queimaduras, afetando todos os órgãos humanos – em especial o coração, cujo funcionamento é naturalmente reativo a estímulos elétricos.

 

DPS

 

O Brasil recebeu no Verão 2019, segundo registros do Grupo de Eletricidade Atmosférica do Inpe (Elat), 29.9 milhões de raios, quatro milhões deles somente no estado de São Paulo. A capital paulista, por exemplo, registrou 22 mil raios no período, 14 mil a mais que em 2018.

Os incontáveis prejuízos com a queima de aparelhos e o evidente risco à vida por conta de surtos, causados por descargas elétricas, podem ser minimizados com a instalação de um Dispositivo de Proteção contra Surtos (DPS) associado a um sistema de aterramento no imóvel.

O DPS é capaz de identificar tensões (medida em volts, V) altíssimas na rede, originadas por uma descarga elétrica e outras anomalias, desviando rapidamente o surto para o aterramento. Por isso é essencial que o imóvel possua aterramento, pois a ausência de fio terra torna inócua a aplicação do componente.

 

STECK Indústria Elétrica

www.steck.com.br

(11) 2248-7000

 

Acompanhe-nos também no:

Facebook: SteckBrasil

Instagram: @steckeletrica

LinkedIn: Steck Indústria Elétrica

YouTube: Steck Indústria Elétrica